As energias limpas e o passado


O Passado e o Presente &  O custo das energias “limpas”

Vamos voltar aos candeeiros a petróleo?

O passado e o presente ainda são visíveis nalgumas zonas do interior do Norte do nosso país. Quanto nos custa as energias dito limpas ou renováveis. Estarão as populações em condições económicas de suportar os preços da rede de energia dita nacional, mas que deixou de estar nas mãos do estado português, quando nos dizem que os preços não vão parar de aumentar. Como será quando os custo da electricidade começar a pesar na compra da comida e dos medicamentos ?

Bernardo Sasseti ( 1970-2012) – O Último Adeus…


Faz no próximo mês um ano que estive à conversa com o Bernardo Sasseti  um pouco antes do período de aquecimento para o espectáculo de bailado que se iria desenrolar no Largo de S. Carlos pela CNB, Companhia Nacional de Bailado  ” Uma Coisa em forma de assim…” pelos  Coreógrafos : Clara Andermatt, Francisco Camacho, Benvindo Fonseca, Rui Lopes Graça, Rui Horta, Paulo Ribeiro, Olga Roriz, Madalena Victorino e Vasco Wellenkamp que estiveram todos presentes.

Recordo-me que em pouco mais que cinco minutos, enquanto ele fumava um cigarro, um pouco a queimar o tempo pelo nervosismo  de entrar em palco, me falava que tinha outra paixão – a fotografia, mas que nem sempre tinha tempo. Eu respondi-lhe que sabia dessa sua paixão e que também sofria do mesmo mal, mas que estava a tentar organizar-me. Falamos ainda mais uns minutos e assim que subiu ao palco para fazer o seu aquecimento disse-me para o fotografar à vontade. Aí percebi quem estava nervoso era eu. Não estava nada à espera que ele fosse tão directo e generoso. Confesso que fiquei um pouco desarmado, mas mesmo assim acabei por fazer algumas fotos. No final do ensaio ainda ficou por ali e perguntou-me – então que tal…estão bem, ao que lhe respondi que sim, mostrando-lhas no display da máquina. De seguida disse, fique com o meu email e mande-me as que estiverem boas. Claro, que lhe enviei também as do espectáculo. E por aí ficamos, apagou o cigarro um pouco apressado e despediu-se. Bem, agora tenho que ir para dentro. Adeus, e estendeu-me a mão, ao que  respondi um pouco a rir – “muita merda para si”. Ele deixou sair um sorriso um pouco rasgado franzindo de seguida o sobrolho, acusando a responsabilidade de se ir expor perante uma plateia de algumas milhares de pessoas, que estavam ali não só para ver a CNB, que é uma excelente Companhia de Bailado, mas também para o ouvir. E isso, ele sabia-o.

Adeus Bernardo…e obrigado